DIAGNÓSTICO DE SEPSE EM PACIENTES APÓS INTERNAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

  • Joice Marques Moura Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto-FAMERP
  • Eduarda Sanches Aprimoramento, Enfermagem
  • Roseli Pereira Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, Departamento de Enfermagem Especializada
  • Isabela Frutuoso Enfermeira Supervisora UTI convênio- Funfarme
  • Alexandre Lins Werneck Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto; Diretoria Adjunta de Ensino de Medicina http://orcid.org/0000-0002-2911-8091
  • Ligia Marcia Contrin Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto; Departamento der Enfermagem Especializada

Resumo

Introdução: Sepse é definida como uma disfunção orgânica potencialmente fatal causada por uma resposta do hospedeiro desregulada à infecção. Os pacientes com sepse (anteriormente chamada de sepse grave) ainda devem ser identificados pelos mesmos critérios de disfunção orgânica (incluindo o nível de lactato superior a 2 mmol/L). A disfunção orgânica também pode ser identificada no futuro, usando a avaliação rápida de insuficiência de órgãos baseada em sepse (qSOFA). Atualmente, a sepse é uma das principais causas de mortalidade nas Unidades de Terapia Intensiva. Em 2003, foi criada a Sepsis Surviving Campaign (campanha sobrevivendo a sepse), elaborando um cronograma de ações para diminuir a incidência de sepse, principalmente em unidades de terapia intensiva. Objetivo: Conhecer as características clínicas e o desfecho dos pacientes que desenvolveram sepse durante a internação em uma unidade de terapia intensiva. Material e Métodos: Trata-se de estudo retrospectivo propriamente dito, de campo, descritivo de abordagem quantitativa, realizado na Unidade de Terapia Intensiva. Os dados foram obtidos por meio de prontuário eletrônico. Para analise dos dados foi utilizado o programa Epi Info, versão 7.2.1.0. Resultados: O maior número de internação foi do sexo masculino, com idade entre 51 e 70 anos. As comorbidades mais encontradas foram hipertensão arterial sistêmica, Diabetes Mellitus, etilismo, tabagismo e cardiopatia. O desfecho pós-sepse mais analisado foi alta da unidade de terapia intensiva, consideravelmente do sexo masculino. Conclusão: Concluímos que os pacientes que mais desenvolveram sepse foram homens (62%), faixa etária de 51 a 70 anos (36%); a principal comorbidade foi hipertensão arterial sistêmica (42%) e o desfecho mais observado foi alta da unidade de terapia intensiva (67%).

Referências

1. Dutra CSK, Silveira LM, Santos AO, Pereira R, Stabile AM. Prevalent nursing diagnosis in patients hospitalized with sepsis at the intesive care unit. Rev Cogitare Enferm. 2014;19(4):688-94.
2. Singer M, Deutschman CS, Seymour CW, Shankar-Hari M, Annane D, Bauer M, et al. The third international consensus definitions for sepsis shock (sepsis-3). JAMA. 2016;315(8):801-10. doi:10.1001/jama.2016.0287.
3. Shankar-Hari M, Phillips GS, Levy ML, Seymour CW, Liu VX, Deutschaman CS, et al. Sepsis definitions task force developing a new definition and assessing new clinical criteria for septic shock: for the third international consensus definitions for sepsis and septic shock (sepsis-3). JAMA. 2016;315(8):775-87.
4. Seymour CW, Liu VX, Iwashyna TJ, Brunkhorst FM, Rea TD, Scherag A, et al. Assessment of clinical criteria for sepsis: for the third international consensus definitions for sepsis and septic shock (sepsis-3). JAMA. 2016;315(8):762-74.doi:10.1001/jama.2016.0288.
5. Machado FR, Cavalcanti AB, Carrara FS, Bozza FA, Lubarino J, Azevedo LC, et al. Prevalência e mortalidade por sepse grave e choque séptico em unidades de terapia intensiva brasileiras. Rev Bras Ter Intensiva. 2014;(Supl 1):S13.
6. Costa JB, Marcon SS, Mombelli MA. Caracterização das internações em uma unidade de terapia intensiva- UTI adulto de um hospital escola. Ciências Cuidado Saúde. 2008;7:1-4.
7. Koury JCA, Lacerda HR, Barros Neto AJ. Fatores de risco associados á mortalidade em pacientes com sepse em unidade de terapia intensiva de hospital privado de Pernambuco. Rev Bras Ter Intensiva. 2007;19(1):23-30. doi:10.1590/S0103-507X2007000100003.
8. Santos AV, Silva AAO, Sousa AFL, Carvalho MM, Carvalhos LRB, Moura MEB. Perfil epidemiológico da sepse em um hospital de urgência. Rev Prevenção Infecção Saúde. 2015;1(1):19-30.
9. Nangino GO, Oliveira CD, Correia PC, Machado NM, Dias ATB. Impacto financeiro da infecções nosocomiais em uma unidade de terapia intensiva em hospital filantrópico de Minas Gerais. Rev Bras Ter Intensiva. 2012;24(4):357-61. doi:10.1590/S0103-507X2012000400011.
10. Farias LL, Pinheiro Junior FML, Braide ASG, Maciera CL, Araujo MVUM, Viana MCC, et.al. Perfil clinico e laboratorial de pacientes com sepse, sepse grave e choque séptico admitidos em uma unidade de terapia intensiva. Rev Saúde Pública. 2013;6(3):50-60.
11. Boechat AL, Boechat NO. Sepse: diagnostico e tratamento. Rev Bras Clin Med. 2010;8(5):420-7.
12. Mayr FB, Yende S, Linde-Zwirble WT, Peck-Palmer OM, Barnato AE, Weissfeld LA, et al. Infection rate and acute organ dysfunction risk as explanations for racial differences in severe sepsis. JAMA. 2010;303(24):2495-503. doi:10.1001/jama.2010.851.
13. Sakr Y, Elia C, Mascia L, Barberis B, Cardellino S, Livigni S, et al. The influence of gender on the epidemiology of and outcome from severe sepsis. Crit Care. 2013;17(2):R50. doi:10.1186/cc12570.
14. Winters BD, Eberlein M, Leung J, Needham DM, Pronovost PJ, Sevransky JE. Long-term mortality and quality of life in sepsis: a systematic review. Crit Care Med. 2010;38(5):1276-83. doi:10.1097/CCM.0b013e3181d8cc1d.
15. Nesseler N, Defontaine A, Launey Y, Morcet J, Mallédant Y, Seguin P. Long-term mortality and quality of life after septic shock: a follow-up observational study. Intensive Care Med. 2013;39(5):881-8. doi:10.1007/s00134-013-2815-1.
16. Wang T, Derhovanessian A, De Cruz S, Belperio JA, Deng JC, Hoo GS. Subsequent infections in survivors of sepsis: epidemiology and outcomes. J Intensive Care Med. 2014;29(2):87-95. doi:10.1177/0885066612467162.
17. Prescott HC, Langa KM, Liu V, Escobar GJ, Iwashyna TJ. Increased 1-year healthcare use in survivors of severe sepsis. Am J Respir Crit Care Med. 2014;190(1):62-9. doi:10.1164/rccm.201403-04710C.
18. Gil AC. Como elaborar um projeto de pesquisa. São Paulo: Atlas; 2002.
19. Hospital de Base. Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto. Protocolo de manejo da sepse 2015. São José do Rio Preto: Hospital de Base/FAMERP; 2015.
20. Cruz LL, Macedo CC. Perfil epidemiológico da sepse em hospital de referência no interior do Ceará. Rev Multidiscip Psicol. 2016;29(10):71-99. doi:10.14295/idonline.v10i1.385
21. Medeiros LM, Valença AMG, Anjos UU. Modelo preditivo para diagnostico da sepse em unidades de terapia intensiva. Tempus Actas Saúde Coletiva. 2016;10(2):143-65. doi:10.18569/tempus.v10i2.1832.
22. Van Vught LA, Klein KPM, Spitoni C, Scicluna BP, Wiewel MA, Horn J, et al. Incidence, risk factors, and attrubutable mortality of secondary infections in the intensive care unit after admission for sepsis. JAMA. 2016;315(14):1469-79. doi 10.1001/jama.2016.2691.
23. Oliveira DC, Oliveira Filho JB, Rogério Ferreira Silva RF, Moura SS, Silva DJ, Tabosa do Egito ES, et al. Sepse no pós-operatório de cirurgia cardíaca: descrição do problema. Arq Bras Cardiol. 2010;94(3):352-6. doi 10.1590/S0066-782X2010000300012.
24. Barreto MFC, Dellaroza MSG, Kerbauy G, Grion CMC. Sepse em um hospital universitário: estudo prospectivo para analise de custo da hospitalização de pacientes. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(2):302-8. doi 10.1590/S0080-623420160000200017.
25. Petterle RR, Youssef NCM, Mazepa MM, Oliveira RS. Associação da taxa de mortalidade e disfunção de órgãos na sepse grave. Rev Bras Biom. 2016;34(4):455-67.
26. Mayr FB, Yende S, Angus DC. Epidemiology of severe sepsi. Virulence. 2014;5(1):4-11. doi 10.4161/viru.27372.
27. Seymour CW, Liu VX, Iwashyna TJ, Brunkhorst FM, Rea TD, Scherag A, et al. Assessment of clinical criteria for sepsis: for the Third International Consensus Definitions for Sepsis and Septic Shock (Sepsis-3). JAMA. 2016;315(8):762-74. doi 10.1001/jama.2016.0288.
28. Puskarich MA, Nandi U, Long BG, Jones AE. Association between persistent tachycardia and tachypnea and in-hospital mortality among non-hypotensive emergency department patients admitted to the hospital. Clin Exp Emerg Med. 2017;4(1):2-9. doi 10.15441/ceem.16.144.
29. Toumpoulis IK, Anagnostopoulus CE, Toumpuolis SK, De Rose Jr JJ, Swistel DG. Risk factors for sepsis and endocarditis and long-term survival following coronary artery bypass grafting. World J Surg. 2005;29(5):621-8. Doi 10.1007/s00268-005-7756-6.
30. Nguyen HB, Corbett SW, Steele R, Banta J, Clark RT, Hayes SR, et al. Implementation of a bundle of quality indicators for the early management of severe sepsis and septic shock is associated with decreased mortality. Crit Care Med. 2007;35(4):1105-12. doi 10.1097/01.CCM.0000259463.33848.3D.
31. Prescott HC, Osterholzer JJ, Langa KM, Angus DC, Iwashyna TJ. Late mortality after sepsis propensity matched cohort study. BMJ. 2016;353:i2375. doi 10.1136/bmj.i2375.
32. Jones TK, Fuchs BD, Small DS, Halpern SD, Hanish A, Umscheid CA, et al. Post-acute care use and hospital readmission after sepsi. Ann Am Thorac Soc. 2015;12(6):904-13. doi 10. 1513/AnnalsATS.201411.5040C.
Publicado
outubro 2, 2017
Como Citar
MOURA, Joice Marques et al. DIAGNÓSTICO DE SEPSE EM PACIENTES APÓS INTERNAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. Arquivos de Ciências da Saúde, [S.l.], v. 24, n. 3, p. 55-60, out. 2017. ISSN 2318-3691. Disponível em: <https://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/675>. Acesso em: 28 out. 2021. doi: https://doi.org/10.17696/2318-3691.24.3.2017.675.
Seção
Artigos Originais

Palavras-chave

Sepse, diagnóstico, unidade de terapia intensiva, paciente pós-internação