Posicionamento na rede tem efeitos benéficos em neonatos pré-termo internados em unidade de terapia intensiva

Resumo

Introdução: Neonatos pré-termo (NPT) internados sob cuidados intensivos estão expostos a diversos fatores que acarretam excesso de estímulo levando ao estresse. O posicionamento adequado pode minimizar os efeitos deletérios nestes pacientes. Objetivo: Analisar os efeitos do posicionamento na rede de NPT sobre os sinais vitais e o nível de dor. Métodos: Estudo retrospectivo de caráter descritivo realizado no Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais – Ponta Grossa/PR, utilizando dados referentes ao período de outubro de 2014 e novembro de 2015. Foram incluídos dados, provenientes de uma tabela de controle utilizada pelos fisioterapeutas do setor para acompanhar os sinais vitais e a presença de dor pela escala Neonatal Infant Pain Scale nos neonatos pré-termo posicionados NA rede, de 20 Neonatos pré-termointernados na unidade de terapia intensiva neonatal. Esses dados eram coletados imediatamente antes ao posicionamento e 30 min após. Foram analisadas frequência cardíaca (FC) e respiratória (FR), saturação periférica de oxigênio (SpO2) e dor antes e após o posicionamento na rede. Resultado:Houve redução significativa das frequências, cardíaca FC antes 160 (18,6)bpm e após 142,7(11,9)bpm(p<0,001), e respiratória antes 46,2(8,5)ipm e após 42,7(7,9)ipm (p<0,05), e do nível de dor, antes 1 (0-2,5) ponto e, após, 0 (0-0) ponto (p<0,001), e aumentoda SpO2 96,98% (2,08) e após o posicionamento 98,56% (1,04) (p<0,001). Conclusão: O posicionamento em rede reduz a frequência cardíaca e frequência respiratória, e o nível de dor, e aumenta a SpO2, portanto, é um posicionamento indicado para neonatos pré-termo.


 

Publicado
agosto 24, 2021
Como Citar
MAZZO, Débora Melo; SCHLEDER, Juliana Carvalho; BUCHOLDZ TEIXEIRA ALVES, Fabiana. Posicionamento na rede tem efeitos benéficos em neonatos pré-termo internados em unidade de terapia intensiva. Arquivos de Ciências da Saúde, [S.l.], v. 28, n. 1, ago. 2021. ISSN 2318-3691. Disponível em: <https://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/1708>. Acesso em: 17 out. 2021. doi: https://doi.org/10.17696/2318-3691.28.1.2021.1708.
Seção
Artigos Originais