Imunohistoquímica na avaliação das doenças inflamatórias intestinais (DII).

Resumo

As doenças inflamatórias intestinais são desordens de etiologia idiopática cujo diagnóstico histopatológico é dado por meio de marcadores imunohistoquímicos. Portanto, o objetivo do presente estudo foi revisar os mais recentes ensaios clínicos publicados, que se utilizaram da imunohistoquímica para a avaliação de marcadores úteis no diagnóstico, no tratamento e no acompanhamento de tais doenças. Para isso, realizou-se uma revisão bibliográfica dos trabalhos publicados entre 2014 e 2017, presentes nas bases de dados Pubmed/medline e Cochrane Library, a partir da busca pelos descritores “Inflammatory bowel disease” AND “immunohistochemistry”. Os resultados evidenciaram que MMP-9 e calprotectina fecal são marcadores úteis para o diagnóstico das doenças inflamatórias intestinais. Além disso, as quantificações de TNF, IL-6 e Anti-TNF se mostraram úteis para o acompanhamento desses pacientes, principalmente na verificação de melhora ou piora do quadro clínico após a instituição da terapia farmacológica. Concluiu-se, então, que a imunohistoquímica é uma metodologia bastante promissora para a avaliação das DII e, por isso, mais pesquisas que visem a descobertas de outros marcadores e que contribuam para o cuidado desses pacientes devem ser estimuladas.

Publicado
janeiro 28, 2020
Como Citar
GUISANDE, Maria Thereza et al. Imunohistoquímica na avaliação das doenças inflamatórias intestinais (DII).. Arquivos de Ciências da Saúde, [S.l.], v. 26, n. 3, p. 179-182, jan. 2020. ISSN 2318-3691. Disponível em: <https://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/1644>. Acesso em: 26 jan. 2022. doi: https://doi.org/10.17696/2318-3691.26.3.2019.1644.
Seção
Artigos de Revisão