A PERCEPÇÃO DA SEXUALIDADE DO PACIENTE CORONARIANO

  • Líscia Divana Carvalho Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. (UFMA). DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM.
  • Ariella Freitas Barros UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. (UFMA). DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM.
  • Ana Hélia de Lima Sardinha UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. (UFMA). DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM.
  • Rosilda Silva Dias UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. (UFMA). DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM.

Resumo

Introdução: A sexualidade é considerada um direito humano e uma necessidade básica, pertencente à qualidade de vida do indivíduo. A compreensão do conhecimento, percepção, sentimentos e emoções que permeiam o significado da sexualidade tornam-se fundamentais para a qualidade das relações afetivas. Objetivo: Conhecer a percepção do paciente coronariano sobre sua sexualidade. Casuística e Métodos: Estudo descritivo-analítico que investiga a percepção de 29 pacientes coronarianos sobre sua sexualidade. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevista no ambulatório de cardiologia do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão, durante os meses de outubro a dezembro de 2015. A inferência e interpretação dos dados foram embasadas na análise do diário de campo, depoimentos do questionário e nas leituras das temáticas relacionadas. Resultados: A maioria dos entrevistados afirma que a sexualidade faz parte de sua vida (79,3%), estabelecem uma ligação entre a vida sexual e a vida amorosa (75,9%). A coronariopatia não exerceu grandes mudanças na sexualidade (58,6%), porém, para aqueles que confirmaram mudanças, estas se relacionaram a diminuição da frequência (56,7%), intensidade (43,3%) e desejo (36,7%). As causas relacionadas foram cansaço, dispneia, arritmia, taquicardia, dor precordial e lombar. Os aspectos que influenciam na forma como vivenciam a sexualidade são o desejo de realizar o ato sexual (70,0%), o incentivo do parceiro (53,3%) e o medo de sofrer um ataque cardíaco (50,0%). Conclusão: Os pacientes coronarianos vivenciam a sexualidade com algumas restrições. Os significados da sexualidade estão imbricados em sentimentos de afetividade e busca de prazer, evidenciando-se uma forte ligação entre a vida sexual e a vida amorosa, recebendo valores diversos o que reforça sua dimensão multifatorial

Referências

1. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva. Departamento de Atenção Básica. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2013.
2. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2011.
3. Vigas MIC. A vivência da sexualidade da pessoa portadora de deficiência motora. [dissertação]. Portugal: Universidade de Évora; 2013.
4. Fleury HJ, Abdo CHN. Terapia de casal para superar disfunções sexuais. Diagn Tratamento. 2016;21(1):45-8.
5. Almeida T, Lourenço ML. Amor e sexualidade na velhice: direito nem sempre respeitado. RBCEH. 2008;5(1):130-40.
6. Stein R, Hohnman CB. Atividade sexual e o coração. Arq Bras Cardio. 2006;86(1):61-7.
7. Fleury HJ, Abdo CHN. Importância do apoio psicoterapêutico para disfunção sexual no envelhecimento. Diagn Tratamento. 2013;18(4):161-3.
8. Gardone DS, Correa MM, Salaroli LB. Associação de fatores de risco cardiovascular e do estado nutricional sobre complicações no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Rev Bras Pesq Saúde. 2012;14(4):50-60.
9. Janssen MAS, Azevedo PR, Silva LDC, Dias RS. Perfil sociodemográfico e clínico de pacientes submetidos à cirurgia de revascularização do miocárdio. Rev Pesq Saúde. 2015;16(1):29-33.
10. Ruiz ENF, Costa JSD, Olinto MTA. Fatores de risco cardiovascular em usuários da saúde suplementar. Rev Ciênc Méd. 2012;21(1):15-24.
11. Alencar DL, Marques APO, Leal MCC, Vieira JCM. Fatores que interferem na sexualidade de idosos: uma revisão integrativa. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(8):3533-42.
12. Freitas EO, Nogueira RS, Stekel LMC, Bublitz S, Kirchhof RS, Guido LA. Perfil de pacientes com doença arterial coronariana submetidos ao cateterismo cardíaco. Rev Enferm UFSM. 2013;3(Esp.):679-88.
13. Pereira JMV, Cavalcanti ACD, Santana RF, Cassiano KM, Queluci GC, Guimarães TCF. Diagnósticos de enfermagem de pacientes hospitalizados com doenças vasculares. 2011;15(4):737-45.
14. Queiroz MAC, Lourenço RME, Coelho MMF, Miranda KCL, Barbosa RGB, Bezerra STF. Social representations of sexuality for the elderly. Rev Bras Enferm. 2015;68(4):662-7.
15. Luz ACG, Machado ALG, Ferreira FG, Teixeira EM, Silva MJ, Braga M. Comportamento sexual de idosos assistidos na estratégia saúde da família. Rev Pesq Cuid Fundam (Online). 2015;7(2):2229-40.
16. Valença CN, Germano RM. Concepções de mulheres sobre menopausa e climatério. Rev Rene. 2010;11(1):161-71.
17. Rosado JMS. Actividad sexual y enfermedad cardiovascular. Rev Med. 2012;73(4):331-4.
18. Costa LHR, Coelho ECA. Enfermagem e sexualidade: revisão integrativa de artigos publicados na Revista Latino-Americana de Enfermagem e na Revista Brasileira de Enfermagem. Rev Latinoam Enferm. 2011;19(3):631-9.

19. Cesar LA, Ferreira JF, Armaganijan D, Gowdak LH, Mansur AP, Bodanese LCS, et al. Diretriz de Doença Coronariana Estável. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol. 2014;103(2 Supl 2):1-73.
20. Oliveira TCT, Correia DMS, Cavalcanti ACD. O impacto da insuficiência cardíaca no cotidiano: percepção do paciente em acompanhamento ambulatorial. Rev Enferm UFPE. 2013;7(6):4497-7.
21. Souza CA, Cardoso FL, Silveira RA, Wittkopf PG. Atividade sexual apos infarto agudo do miocárdio. Arq Catarin Med. 2011;40(2):30-3.
22. Rosado JMS. Actividad sexual y enfermedad cardiovascular. Rev Med. 2012;73(4):331-4.
Publicado
julho 5, 2017
Como Citar
SILVA, Líscia Divana Carvalho et al. A PERCEPÇÃO DA SEXUALIDADE DO PACIENTE CORONARIANO. Arquivos de Ciências da Saúde, [S.l.], v. 24, n. 2, p. 76-81, jul. 2017. ISSN 2318-3691. Disponível em: <http://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/587>. Acesso em: 15 dez. 2018. doi: https://doi.org/10.17696/2318-3691.24.2.2017.587.
Seção
Artigos Originais

Palavras-chave

Sexualidade; Doença das Coronárias; Comportamento Sexual.