SAÚDE CARDIOVASCULAR E QUALIDADE DE VIDA DE MOTOTAXISTAS

  • Bruno Gonçalves de Oliveira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-UESB.
  • Ícaro José Santos Ribeiro Centro de Pesquisa Gonçalo Moniz-FIOCRUZ.
  • Eliane dos Santos Bomfim Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-UESB
  • Rita Narriman Silva de Oliveira Boery Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-UESB
  • Cezar Augusto Casotti Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia- UESB
  • Eduardo Nagib Boery Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-UESB

Resumo

Introdução: As mudanças comportamentais da sociedade, associadas a um menor tempo para a prática de atividade física e alteração dos hábitos alimentares, proporcionam o aumento das doenças crônicas, além de interferir na qualidade de vida.  Objetivos: Avaliar a qualidade de vida e a saúde cardiovascular dos mototaxistas. Casuística e Métodos: Estudo descritivo de corte transversal, realizado com 185 mototaxistas cadastrados na associação de mototaxistas de Jequié-BA. Os instrumentos utilizados para se obter as informações foram o questionário genérico de Qualidade de Vida SF-36 e um questionário contendo variáveis sociodemográficas, fatores comportamentais e clínicos. Para mensuração das medidas antropométricas e níveis pressóricos utilizaram-se os critérios da Organização Mundial da Saúde e o método indireto de acordo a VI Diretriz Brasileira de Hipertensão. Resultados: Dos mototaxistas avaliados, 99,4% (n=184) eram do sexo masculino, com idade abaixo de 40 anos (70,3%; n=130), sendo 37,9% (n=65) hipertensos. A partir das medidas antropométricas obteve-se o Índice de Massa Corporal, demonstrando que 48,1% (n=89) apresentavam sobrepeso.  Em relação à QV, observou-se associação estatística P < 0,01 e P < 0,05 entre a circunferência abdominal e os domínios aspecto social e físico. O domínio que apresentou a melhor média foi o aspecto social, 93,5 pontos (±13,7). Conclusão: O estudo comprova que alguns fatores como a circunferência abdominal apresentaram significância estatística, potencialmente interferindo na qualidade de vida, principalmente no domínio aspecto social. Os mototaxistas apresentaram picos hipertensivos e foram classificados como indivíduos com sobrepeso de acordo com o IMC. O fato de apresentarem um estilo de vida mais preocupado com o trabalho do que com seus horários de descanso, proporcionou a falta de controle da pressão arterial e a prática de atividade física. 

Referências

1. Pinheiro ARO, Freitas SFT, Corso ACT. Uma abordagem epidemiológica da obesidade. Rev Nutr. 2004;17(4):523-33.
2. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica [homepage na Internet]. Brasília (DF); 2006 [acesso em 2014 Jun 11]. Hipertensão arterial sistêmica; [aproximadamente 53 telas]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad15.pdf
3. Sociedade Brasileira de Cardiologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Rev Bras Hipertens [periódico na Internet]. 2010 Jan-Mar [acesso em 2014 Jun 13]; 17(1):[aproximadamente 64 p.] Disponível em: http://departamentos.cardiol.br/dha/vidiretriz/vidiretriz.asp
4. Rabelo DF, Lima CFM, Freitas PM, Santos JC. Qualidade de vida, condições e auto-percepção da saúde entre idosos hipertensos e não hipertensos. Rev Kairós Gerontol. 2010;13(2):115-30.
5. Seidl EMF, Zannon CML. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad Saúde Pública. 2004;20(2):580-8.
6. Alves MTS, Pinto DM, Reis HFC. Prevalência dos fatores de risco cardiovasculares em motoristas de táxi. EFDeportes.com. Rev Digital [periódico na Internet]. 2012 Jul [acesso em 2014 Jun 26 ];17(170): [aproximadamente 12 p.] Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd170/risco-cardiovasculares-em-motoristas-de-taxi.htm
7. Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol. 1998;39(1):43-50.
8. World Health Organization. Report of a WHO Concultation on obesity: obesity-preventing and managing the global epidemic. Geneva: WHO; 1997.
9. Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica. Arq Bras Cardiol [periódico na Internet] 2004 Abr [acesso em 2014 Jul 10]; 84(Suppl 1): [aproximadamente 28 p.]. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2005/sindromemetabolica.pdf
10. Jardim PCBV, Gondim MRP, Monego ET, Moreira HG, Vitorino PVO, Souza WKSB, et al. Hipertensão arterial e alguns fatores de risco em uma capital brasileira. Arq Bras Cardiol . 2007;88(4):452-7.
11. Machado MC, Pires CGS, Lobão WM. Concepções dos hipertensos sobre os fatores de risco para a doença. Ciênc. Saúde Coletiva. 2012;17(5):1365-74.
12. Cavagioni LC, Bensenor IM, Halpern A, Pierin AMG. Síndrome metabólica em motoristas profissionais de transporte de cargas da rodovia BR-116 no trecho Paulista-Régis Bittencourt. Arq Bras Endocrinol Metab. 2008;52(6):1015-23.
13. Guedes HM, Guedes KD, Costa PA, Almeida MEF. Fatores de risco para o desenvolvimento de hipertensão arterial entre motoristas caminhoneiros. Cogitare Enferm. 2010;15(4):652-8.
14. Oliveira AFC, Nogueira MS. Obesidade como fator de risco para a hipertensão entre profissionais de enfermagem de uma Instituição Filantrópica. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(2):388-94.
15. Barroso WKS, Jardim PCBV, Vitorino PV, Bittencourt A, Miquetichuc F. Influência da atividade física programada na pressão arterial de idosos hipertensos sob tratamento não-farmacológico. Rev Assoc Med Bras. 2008;54(4): 328-33.
16. Costa JSD, Barcellos FC, Sclowitz ML, Sclowitz ICT, Castanheira M, Olinto MTA, et al. Prevalência de Hipertensão Arterial em Adultos e Fatores Associados: um Estudo de Base Populacional Urbana em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Arq Bras Cardiol. 2007;88(1):59-65.
17. Sarno F, Monteiro CA. Importância relativa do Índice de Massa Corporal e da circunferência abdominal na predição da hipertensão arterial. Rev Saúde Pública. 2007;41(5):788-96.
18. Moura IH, Costa JV, Leal LB, Araújo DS, Silva ARV, Almeida PC. Índice de massa corporal e circunferência abdominal entre adolescentes no interior do Piauí, Brasil. Rev Rene. 2012;13(2):253-60.
19. Guimarães AC. Sobrepeso e obesidade: fatores de risco cardiovascular. Hipertensão. 2001;4(3): 94-7.
20. Carneiro G. Influência da distribuição da gordura corporal sobre a prevalência da hipertensão arterial e outros fatores de risco cardiovascular em indivíduos obesos. Rev Assoc Méd Bras. 2003;49(2):306-11.
21. Castro M, Caiuby AVS, Draibe AS, Canziani MEF. Qualidade de vida de pacientes com insuficiência renal crônica em Hemodiálise avaliada através do instrumento genérico SF-36. Rev Assoc Med Bras. 2003;49(3):245-9.
22. Cunha MS, Andrade V, Guedes CAV, Meneghetti CHZ, Aguiar AP, Cardoso AL. Avaliação da capacidade funcional e da qualidade de vida em pacientes renais crônicos submetidos a tratamento hemodialítico. Fisioter Pesq. 2009;16(2):155-60.
23. Cattai GBP, Rocha FA, Nardo Junior N, Pimentel, GGA. Qualidade de vida em pacientes com Insuficiência Renal Crônica -SF-36. Cienc Cuid Saude. 2007;6(Suppl 2):460-7.
24. Albuquerque MES, Morais RS, Ximenes JM, Moura CCB, Freitas Junior RO, Ximenes Neto FRG. Qualidade de vida no trabalho e riscos ocupacionais dos mototaxistas: um estudo de caso. Rev CPAQV. 2012;4(3):1-9.
Publicado
março 31, 2015
Como Citar
DE OLIVEIRA, Bruno Gonçalves et al. SAÚDE CARDIOVASCULAR E QUALIDADE DE VIDA DE MOTOTAXISTAS. Arquivos de Ciências da Saúde, [S.l.], v. 22, n. 1, p. 33-38, mar. 2015. ISSN 2318-3691. Disponível em: <http://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/30>. Acesso em: 26 mar. 2019. doi: https://doi.org/10.17696/2318-3691.22.1.2015.30.
Seção
Artigos Originais

Palavras-chave

Doenças cardiovasculares; Motocicletas; Qualidade de vida.