PROCURA DA ATENÇÃO BÁSICA PARA O DIAGNÓSTICO DA TUBERCULOSE

  • Vanessa Fujino Mizuhira
  • Cláudia Eli Gazetta
  • Silvia Helena Figueiredo Vendramin
  • Maria Amélia Zanon Ponce
  • Anneliese Domingues Wysocki
  • Tereza Cristina Scatena Villa

Resumo

Introdução: A atenção básica deve ter fácil acesso e dispensar atenção adequada e resolutiva no diagnóstico da tuberculose, pois é considerada a porta de entrada preferencial para o controle da doença pelo Ministério da Saúde.  Objetivo: Analisar como a organização da atenção básica interfere na procura pela atenção como porta de entrada para o diagnóstico da Tuberculose em São José do Rio Preto. Casuística e Métodos: Trata-se de um estudo descritivo exploratório de abordagem quantitativa, com doentes residentes no município de São José do Rio Preto-SP em 2009. Utilizou-se o questionário estruturado enfocando questões relativas às informações sociodemográficas e a dimensão “porta de entrada”. Resultados: Homens jovens, com menor escolaridade e renda procuraram menos a Atenção Básica para diagnóstico. Verificou-se associação estatística entre doentes que buscaram os serviços mais próximos do domicilio e procuraram pela Atenção Básica. Houve também associação entre doentes que não faziam controle preventivo de saúde e a procura pelo Pronto Atendimento. Conclusão: A organização da Atenção Básica referente às ações de saúde, acesso, acolhimento e vínculo apresentaram fragilidades, que interferem na busca pelo nível de atenção como porta de entrada.

 

Referências

1. World Health Organization. Implementing the WHO Stop TB Strategy: a handbook for national tuberculosis control programmes. Geneva: WHO; 2008.
2. Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília (DF): UNESCO, Ministério da Saúde; 2004.
3. Ponce MAZ, Wysocki AD, Scatolin BE, Andrade RLP, Arakawa T, Ruffino-Neto A, et al . Diagnóstico da tuberculose: desempenho do primeiro serviço de saúde procurado em São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2013;29(5):945-54.
4. Scatena LM, Villa TCS, Ruffino Netto A, Kritski AL, Figueiredo TMRM, Vendramini SHF, et al. Dificuldades de acesso a serviços de saúde para diagnóstico de tuberculose em municípios do Brasil. Rev Saúde Pública. 2009; 43(3):389-97.
5. Secretaria Municipal de Saúde e Higiene de São José do Rio Preto. Controle de Tuberculose ARE/VE. Situação da Tuberculose em São José do Rio Preto. São José do Rio Preto: Secretaria Municipal de Saúde e Higiene de São José do Rio Preto; 2009.
6. Villa TCS, Ruffino Netto A. Questionário para avaliação de desempenho de serviços de atenção básica no controle da TB no Brasil. J Bras Pneumol. 2009;35(6):610-2.
7. Oliveira LH, Mattos RA, Souza AIS. Cidadãos peregrinos: os usuários do SUS e os significados de demanda a prontos-socorros e hospitais no contexto de um processo de reorientação do modelo assistencial. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(5):1929-38.
8. Quintero MCF. Atenção básica em saúde: acesso ao diagnóstico da Tuberculose em São José do Rio Preto-SP [dissertação]. São José do Rio Preto-SP: Faculdade de Medicina de Rio Preto; 2010.
9. Mendoza-Sassi R, Béria JU. Utilizacion de los servicios de salud uma revision sistemática sobre los factores relacionados. Cad Saúde Pública. 2001;17(4):819-32.
10. Travassos C, Viacava F, Pinheiro R, Brito A. Utilização dos serviços de saúde no Brasil: gênero, características familiares e condição social. Rev Panam Saúde Pública. 2002;11(5):365-73.
11. Gomes R, Moreira MCN, Nascimento EF, Rebello LEFS, Couto MT, Schraiber LB. Os homens não vêm! Ausência e/ou invisibilidade masculina na atenção primária. Ciênc Saúde Coletiva [periódico na Internet]. 2011 [acesso em 2014 Out 13];16(Suppl1):[aproximadamente 10 p.]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16s1/a30v16s1.pdf
12. Arcêncio RA, Oliveira MF, Villa TCS. Internações por tuberculose pulmonar no Estado de São Paulo no ano de 2004. Ciên Saúde Coletiva. 2007;12(2):409-17.
13. Ramos DD, Lima ADS. Acesso e acolhimento aos usuários em uma unidade de saúde de Porto Alegre. Cad Saúde Pública. 2003;19(1):27-34.
14. Nogueira JA, Ruffino-Netto A, Monroe AP, Gonzales RIC, Villa TCS. Busca ativa de sintomáticos respiratórios no controle da tuberculose na percepção do Agente Comunitário de Saúde. Rev Eletrônica Enferm [periódico na Internet]. 2007 [acesso em 2013 Ago 15];9(1):[aproximadamente 13 p.]. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v9/n1/pdf/v9n1a08.pdf
15. Campos CEA. O desafio da integralidade segundo as perspectivas da vigilância da saúde e da saúde da família. Ciên Saúde Coletiva. 2003;8(2):569-84.
16. Mesfin MM, Newell JN, Walley JD, Gessessew A, Madeley RJ. Delayed consultation among pulmonary tuberculosis patients: across sectional study of 10 DOTS districts of Ethiopia . BMC Public Health. 2009;9(53):1-10. doi:10.1186/1471-2458-9-53
17. Lima LM, Schwartz E, Cardozo Gonzáles RI, Harter J, Lima JF. O programa de controle da tuberculose em Pelotas/RS, Brasil: investigação de contatos intradomiciliares. Rev Gaúcha Enferm [periódico na Internet]. 2013 [acesso em 2014 Out 13];34(2):[aproximadamente 9 p.]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v34n2/v34n2a13.pdf
18. Monteiro MM, Figueiredo VP, Machado MFAS. Formação do vinculo na implantação do Programa Saúde da Família numa Unidade Básica de Saúde. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(2):358-64.
19. Coelho MO, Jorge MSB. Tecnologia das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica à saúde na perspectiva do acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciênc Saúde Coletiva [periódico na Internet]. 2009 [acesso em 2014 Out 13];14(Suppl 1):[aproximadamente 9 p.]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v14s1/a26v14s1.pdf
Publicado
julho 13, 2015
Como Citar
MIZUHIRA, Vanessa Fujino et al. PROCURA DA ATENÇÃO BÁSICA PARA O DIAGNÓSTICO DA TUBERCULOSE. Arquivos de Ciências da Saúde, [S.l.], v. 22, n. 2, p. 94-98, jul. 2015. ISSN 2318-3691. Disponível em: <http://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/150>. Acesso em: 22 nov. 2019. doi: https://doi.org/10.17696/2318-3691.22.2.2015.150.
Seção
Artigos Originais

Palavras-chave

Atenção Primária à Saúde; Acesso aos Serviços de Saúde; Diagnóstico; Tuberculose.