DIMINUIÇÃO DA FUNCIONALIDADE EM IDOSOS REINTERNADOS

  • Eloá Marcassi Borges
  • Aline Ferreira Placeres
  • Juliana Yumi Kuga
  • Sthéfani Ferreira
  • Maysa Alahmar Bianchin
  • Neuseli Marino Lamari

Resumo

Introdução: Durante o período de hospitalização, o idoso enfrenta alterações consideráveis em sua capacidade funcional. Apresenta-se dependente na realização das Atividades de Vida Diária como consequência deste momento de fragilidade; isto é, quando é retirado de seu meio de convívio familiar e social e transferido para um ambiente estranho. Objetivo: Identificar em pacientes idosos reinternados, a condição motora atual, a realização das Atividades de Vida Diária durante a internação e a deambulação antes da internação. Casuística e Métodos: Trata-se de uma pesquisa quantitativa, realizada com 46 pacientes idosos reinternados em um hospital da cidade de São José do Rio Preto, SP. Os dados foram coletados, em junho de 2014, após a aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa da instituição, por meio de uma entrevista semiestruturada, contendo questões de identificação e quanto à realização das Atividades de Vida Diária e deambulação. Resultados: A média de idade dos participantes foi de 70,9±7,5; 54% eram predominantemente do gênero masculino, 74% procedentes de outros municípios e 59% com ensino fundamental incompleto. Em relação à condição motora atual 19,6% são acamados; na realização das Atividades de Vida Diária 26% são dependentes e 19,6% não deambulavam antes da internação. Conclusão: Os resultados apontam a existência de pacientes acamados e dependentes durante o período de reinternação.  Esta situação ocorre, pois os cuidadores acreditam erroneamente que o repouso no leito e a imobilização é a melhor forma de recuperação. Verifica-se a necessidade de um atendimento diferenciado à população idosa junto de uma equipe multiprofissional para o cuidado integral do idoso.

Referências

1. Simioni DS, Mello LM, Silva AS, Martinez EZ, Altacilio NA. Fraturas de fêmur em idosos no Brasil: análise espaço-temporal de 2008 a 2012. Cad Saúde Pública. 2014;30(12):2669-78.
2. Smanioto FN, Haddad MCFL. Índice de Katz aplicado a idosos institucionalizados. Rev RENE. 2011;12(1):18-23.
3. Souza RF, Skubs T, Brêtas ACP. Envelhecimento e família: uma nova perspectiva para o cuidado de enfermagem. Rev Bras Enferm. 2007;60(3):263-7.
4. Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública. 2009;43(3):548-54.
5. Pagotto V, Silveira EA, Velasco WD. Perfil das hospitalizações e fatores associados em idosos usuários do SUS. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(10):3061-70.
6. Paulin GST, Silva VCG, Koenig AM. Perfil de idosos atendidos pela terapia ocupacional na residência multidisciplinar de um hospital público. REFACS. 2013;2(1):32-40.
7. Sthal HC, Bertis HW, Palhares VC. Grau de dependência de idosos hospitalizados para realização das atividades básicas de vida diária. Texto Contexto Enferm. 2011;20(1):59-67.
8. Veras RP, Caldas CP, Motta LB, Lima KC, Siqueira RC, Rodrigues RTSV, et al. Integração e continuidade do cuidado em modelos de rede de atenção à saúde para idosos frágeis. Rev Saúde Pública. 2014;48(2):357-65.
9. Remor CB, Gaviolli C, Marchi DSM, Gerlack LF, Serbim AK, Cecconello M, et al. Ambulatório multiprofissional de geriatria: uma perspectiva de assistência à saúde do idoso na busca da interdisciplinaridade. RBCEH. 2011;8(3):392-9.
10. The American Journal Occupational Therapy. Occupational therapy practice framework: domain e process 2nd edition. Am J Occup Ther. 2008;63(6):625-38.
11. Carleto DGS, Souza ACA, Silva M, Cruz DMC, Andrade VS, tradutores. Estrutura da prática da terapia ocupacional: domínio e processo 2ª edição. Rev Triângulo. 2010;3(2):57-147.
12. Moreira KQ. Atuação da terapia ocupacional junto ao idoso com Alzheimer [trabalho de conclusão de curso]. Fortaleza: Escola de Saúde Pública do Ceará; 2007.
13. Santos G, Sousa L. Qualidade de vida em pessoas idosas hospitalizadas: comparação da admissão com a alta do internamento. Rev Kairós. 2013;16(2):7-25.
14. Mauad MM, Mendonça CAC, Silva RCR, Abate DT. Influência da fisioterapia na síndrome do imobilismo. Colloq Vitae. 2013;5(1):68-76.
15. Gratão ACM, Talmelli LFS, Figueiredo LC, Rosset I, Freitas CP, Rodrigues RAP. Dependência funcional de idosos e a sobrecarga do cuidador. Rev Esc Enferm USP. 201;47(1):137-44.
16. Santos SSC, Gautério DP, Vidal DAS, Rosa BM, Zortea B, Urquia BS. (In) dependência na realização de atividades básicas de vida diária em pessoas idosas domiciliadas. Rev RENE. 2013;14(3):579-87.
17. Cazeiro APM, Peres PT. A terapia ocupacional na prevenção e no tratamento de complicações decorrentes da imobilização no leito. Cad Ter Ocup UFSCar. 2010;18(2):149-67.
18. Boechat JCS, Manhães FC, Gama Filho RV, Istoé RSC. A síndrome do imobilismo e seus efeitos sobre o aparelho locomotor do idoso. Rev Cient Intern. 2012;22(1):89-193.
Publicado
julho 13, 2015
Como Citar
BORGES, Eloá Marcassi et al. DIMINUIÇÃO DA FUNCIONALIDADE EM IDOSOS REINTERNADOS. Arquivos de Ciências da Saúde, [S.l.], v. 22, n. 2, p. 38-41, jul. 2015. ISSN 2318-3691. Disponível em: <http://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/140>. Acesso em: 23 mar. 2019. doi: https://doi.org/10.17696/2318-3691.22.2.2015.140.
Seção
Artigos Originais

Palavras-chave

Idoso; Hospitalização; Terapia Ocupacional.